17 de Dezembro de 2017

TCU suspende licitação para aquisição de cisternas de plástico

15 de Agosto de 2013, por Aquiles Nairó
A licitação conduzida pela Codevasf tem valor estimado em R$ 600 milhões
TCU suspende licitação para aquisição de cisternas de plástico

O Plenário do Tribunal de Contas da União confirmou a medida cautelar determinada pelo ministro Benjamin Zymler para que a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) suspenda o pregão com vistas ao fornecimento, transporte e instalação de cisternas em polietileno para acumulação de água de chuva, visando o abastecimento de comunidades rurais nos Estados de Alagoas, Minas Gerais, Bahia, Piauí, Ceará e Goiás. A decisão do Plenário do TCU ocorreu no dia 07 de agosto e atinge mais de 50 cidades do Piauí que receberiam ao todo 29.088 cisternas.

A licitação estava sendo conduzida pela Codevasf em Brasília. Divida em três itens, o valor global foi estimado em R$ 600 milhões é previsto para ser investido na compra de 187.495 cisternas. Cinco empresas disputavam o item que envolve o Piauí e o Ceará (Fortlev, Dalka, Consórcio Capricórnio, COMPECC e GL Teixeira, que foi desclassificada).

Além do material das cisternas, um tipo de plástico, o valor unitário de quase R$ 5,9 mil é bastante criticado. O TCU também recebeu a denúncia de que o valor cobrado por cada material licitado estava 24% mais caro do que foi cobrado em outras licitações do DNOCS e da própria Codevasf.

Cisternas de plástico derretem sob o calor do sertão - O calor do semiárido seria o principal inimigo dessas cisternas. Elas já apresentaram defeitos em várias localidades. No Piauí elas já deram dor de cabeça aos agricultores e foram destaque até em programas como o Globo Rural.

Como justificativa para a escolha dessas cisternas de polietileno, a Codevasf disse que elas duram cerca de 20 anos, precisam de uma escavação rasa, além de pesquisa da Embrapa constatando um percentual de 44% de contaminação nas cisternas de concreto.

Agora, as empresas serão chamadas a darem explicações e a Codevasf precisa convencer os ministros do TCU de que essa é maneira mais viável e econômica para os cofres públicos. Caso contrário, o edital da licitação será anulado completamente.


Fonte: Apoliana Oliveira
Aquiles Nairó é Repórter
Sede: Rua Av Andrade, n° 295, centro, Barro Alto-BA
Representação: Rua Benedito Teixeira, n° 127, Centro, Irecê-BA
Fone: (74)3641-4671
E-mail: contato@agrocoop.com.br
Parceria